Category Archives: Artigos

I Like Rockkkkkkkk

Padrão

Aproveitando a dica, pelo amor de Deus, use fone de ouvindo pagodero/funkeito dos inferno

Chuck Norris Aprova essa idéia!!!!!

Anúncios

Osasco Soldiers no jornal.

Padrão

Pessoal,

queria compartilhar com vocês minha enorme alegria, em saber que saiu uma reportagem do meu time de futebol americano, Osasco Soldiers… Segue abaixo a reportagem:

Soldiers completa três anos de futebol americano em Osasco

M. Silvio
(esportes@webdiario.com.br)

Acima de tudo, são guerreiros. Não há tempo ruim para esses atletas de futebol americano.

Em outubro de 2008 o Soldiers foi lançado por César Augusto e Michell Marim e, portanto, caminha para o terceiro ano de fundação. É um novato, mas já bem ralado nos confrontos pelo Estado. Como bem dizem os atletas do Soldiers, futebol americano é mais que um jogo, é uma guerra.

Mas para todos eles, essa guerra é mais forte além das linhas que marcam o campo. Promover o futebol, recrutar atletas e se garantir na temporada são os desafios desse pelotão, que tem como reduto um campo no Jardim Bela Vista, zona Sul de Osasco, próximo ao IML.

Fãs de épicos bélicos, os fundadores bolaram um símbolo com um centurião romano, e as cores são emblemáticas também – o amarelo tem o valor do ouro, o vermelho tem o valor do sangue nas batalhas, e o cinza representa as armas de luta. Portanto, tudo tem a ver com a guerra. E é com esse espírito que o Soldiers se mantém ativo e parte para o mês do terceiro aniversário.

A prefeitura cede o local de treino, mas o maior patrocinador do Soldiers são os próprios atletas. E quem pensa que não há torcida, quando entra em campo, nas arquibancadas está a XVIII, torcida que homenageia a 13ª Legião Romana, uma das mais temidas.

E quando a coisa aperta, os soldados vão às ruas de Osasco, uniformizados, vendendo produtos para somar aquela graninha que servirá para compra de equipamentos. Repetindo, eles estão numa guerra constante, dentro e fora de campo. Contato com o Osasco Soldiers é pelo email soldiers@soldiersfa.com.

Link Original: http://webdiario.com.br/?din=view_noticias&id=60537

Pedido de desculpas

Padrão

Galera,

Gostaria de me desculpar pela  falta de tempo para postar aquilo que vocês mais gostam, porém a vibe tava meio complicada.

A partir de hoje vou fazer o máximo para postar aqui.

Vlw Manolada.

Carlos.

Quem quiser me add no Face/MSN:

Face: http://www.facebook.com/profile.php?id=100000502030554

Msn: gutomorelli@hotmail.com

Acredite, um beijo pode salvar uma vida.

Padrão

A chinesa  Wenxiu, de 19 anos, conseguiu salvar um garoto de 16 anos que ameaçava se jogar de uma passarela na cidade de , na , com um simples beijo. Liu estava passando pelo local quando viu dezenas de pessoas acompanhando o drama do adolescente, que estava com uma faca na mão, pendurado na passarela. Ela conseguiu se aproximar do garoto dizendo para a polícia que era namorada dele e a razão pela qual ele pretendia cometer suicídio.

Na verdade, de acordo com a imprensa local, o menino estava desesperado porque a mãe dele havia falecido e a madrasta não o tratava bem. Para completar, a mulher havia fugido com todo o dinheiro do pai. “Ele me disse que não tinha mais ninguém, ninguém se preocupava com ele ou confiava nele. Eu mostrei as  que tenho nopulso direito, de quando eu tentei o suicídio porque ninguém na minha família estava feliz (…). Eu já estive no lugar dele e sei exatamente como foi”, disse Liu.

Durante a conversa, a chinesa beijou o adolescente e a polícia aproveitou para fazer o resgate. Se os dois mantiveram contato depois, não se sabe. Mas  foi convocada para ajudar a polícia novamente. O garoto, que foi levado para a delegacia, disse que só contaria a verdadeira razão da tentativa de suicídio se a falsa namorada estivesse presente.

Confira o vídeo com a reportagem da TV local e momento do beijo

“Um ato heroico da garota! =)”

Fonte do blog Útil e Fútil

A VERDADEIRA HISTÓRIA DOS RUGRATS – OS ANJINHOS.

Padrão

“Os bebês Rugrats não existem e eles são produtos da imaginação da Angélica (a loirinha mais velha) porque a mãe dela a ignora e o relacionamento dela com o pai é superficial e parasita. Na verdade, Chuckie (o ruivinho de óculos roxo) morreu junto com a mãe dele, por isso que seu pai, Chaz é tão nervoso. Tommy (o bebê de fralda e blusa azul) era um natimorto (feto que morreu dentro do útero), o que levou seu pai, Stu a sentar no porão para fazer e inventar brinquedos para seu filho que nunca teve a chance de viver. Os gêmeos DeVille (que na verdade eram uma criança só) foram abortados, e como Angélica não sabia se a criança não-nascida seria um menino ou uma menina, então ela simplesmente inventou o mesmo personagem em sua cabeça duas vezes, com diferentes sexos. Por isso o nome do desenho no Brasil é Os Anjinhos, pois crianças mortas ‘viram anjos’…

WHATTTTTT???

 

vIA: HELL IS EMPTY AND ALL THE DEVILS ARE HERE

Pense consciente

Padrão

Acha esse cãozinho bonitinho?? Agora leiam o text abaixo e imaginem o sofrimento de um deles… ´Já adotei 3 cachorros de rua e afirmo que são os melhores amigos que se pode ter…. Adote você também, ou pelo menos, não abandone seu melhor amigo…

VALE APENA LER! (y), peguei no blog da minha amiga http://micampioni.tumblr.com/

1ª semana: Hoje completei uma semana de vida. Que alegria ter chegado a este mundo!

1 mês: Minha mamãe cuida muito bem de mim. É uma mãe exemplar!

2 meses: Hoje me separaram de minha mamãe. Ela estava muito inquieta e, com seu olhar,
disse-me adeus. Espero que a minha nova “família humana ” cuide tão bem de mim
como ela o fez.

4 meses: Cresci rápido; tudo me chama a atenção. Há várias crianças na casa e para mim são como “irmãozinhos”. Somos
muito brincalhões, eles me puxam o rabo e eu os mordo de brincadeira.

5 meses: Hoje me deram uma bronca. Minha dona se incomodou porque fiz “pipi” dentro de casa. Mas nunca me haviam ensinado onde deveria fazê-lo. Além do que, durmo no hall de entrada. Não deu para agüentar.

8 meses: Sou um cão feliz! Tenho o calor de um lar; sinto-me tão seguro, tão protegido… Acho que a minha família humana me ama e me consente muitas coisas. O pátio é todinho para mim e, às vezes, me excedo, cavando na terra como meus antepassados, os lobos quando escondiam a comida. Nunca me educam. Deve ser correto tudo o que faço!

12 meses: Hoje completo um ano. Sou um cão adulto. Meus donos dizem que cresci mais do que eles esperavam. Que orgulho devem ter de mim!

13 meses: Hoje me acorrentaram e fico quase sem poder movimentar-me até onde tem um raio de sol ou quando quero alguma sombra. Dizem que vão me observar e que sou um ingrato. Não compreendo nada do que está acontecendo.

15 meses: Já nada é igual… Moro na varanda. Sinto-me muito só. Minha família já não me quer! Às vezes esquecem que
tenho fome e sede. Quando chove, não tenho teto que me abrigue…

16 meses: Hoje me desceram da varanda. Estou certo de que minha família me perdoou. Eu fiquei tão contente que pulava com
gosto. Meu rabo parecia um ventilador. Além disso, vão levar-me a passear em sua companhia! Nos direcionamos para a rodovia e, de repente, pararam o automóvel. Abriram a porta e eu desci feliz, pensando que passaríamos nosso dia no campo. Não compreendo porque fecharam a porta e se foram. “Ouçam, Esperem!” lati… se esqueceram de mim… Corri atrás do carro com todas as minhas forcas. Minha angústia crescia ao perceber que quase perdia o fôlego e eles não paravam. Haviam me esquecido.

17 meses: Procurei em vão achar o caminho de volta ao lar. Estou e sinto-me perdido! No meu caminho existem pessoas de bom coração que me olham com tristeza e me dão algum alimento. Eu lhes agradeço com o meu olhar, desde o fundo de minha alma. Eu gostaria que me adotassem: seria leal como ninguém! Mas somente dizem: “pobre cãozinho, deve ter se perdido.”

18 meses: Um dia destes, passei perto de uma escola e vi muitas crianças e jovens como meus “irmãozinhos”. Aproximei-me e um
grupo deles, rindo, me jogou uma chuva de pedras “para ver quem tinha melhor pontaria”. Uma dessas pedras feriu-me o olho e desde então, não enxergo com ele.

19 meses: Parece mentira quando estava mais bonito, tinham compaixão de mim. Já estou muito fraco; meu aspecto mudou. Perdi o meu olho e as pessoas me mostram a vassoura quando pretendo deitar-me numa pequena sombra.

20 meses: Quase não posso mover-me! Hoje, ao tentar atravessar a rua por onde passam os carros, um me jogou! Eu
estava no lugar seguro chamado “calçada”, mas nunca esquecerei o olhar de satisfação do condutor, que até se vangloriou por acertar-me. Quisera que tivesse matado! Mas só me deslocou as cadeiras! A dor é terrível! Minhas patas
traseiras não me obedecem e com dificuldade arrastei-me até a relva, na beira do caminho…

Faz dez dias que estou embaixo do sol, da chuva, do frio, sem comer. Já não posso mexer-me! A dor é insuportável! Sinto-me muito mal; fiquei num lugar úmido e parece que até o meu pelo esta caindo…Algumas pessoas passam e nem me vêem; outras dizem: “não chegue perto”. Já estou quase inconsciente; mas alguma força estranha me faz abrir os olhos. A doçura de sua voz me fez reagir. “Pobre cãozinho, olha como te deixaram”, dizia… junto com ela estava um senhor de avental branco. Começou a tocar-me e disse: “Sinto muito senhora, mas este cão já não tem remédio”. É melhor que pare de sofrer”.

A gentil dama, com as lágrimas rolando pelo rosto, concordou. Como pude, mexi o rabo e olhei-a, agradecendo-lhe que me ajudasse a descansar. Somente senti a picada da injeção e dormi para sempre, pensando em porque tive que nascer se ninguém me queria..